Os microfones e a gravação.
Entenda mais! Parte 1

Nesta série de artigos você entenderá mais sobre os microfones, suas características, dicas, tutoriais de microfonação e como utilizar de uma forma melhor os microfones para gravar!


...

Você sabe qual microfone capta o som com menos "coloração", ou seja, mais natural, sem alterar as características do som?
Você sabe o que acontece quando altera a distância da fonte sonora de um cardióide e de um omnidirecional?
Se não sabe, agora saberá esses e outros detalhes no tutorial abaixo! Vamos iniciar um guia definitivo sobre microfones, vamos lá!

TIPOS DE MICROFONES

No que se refere à forma de transdução da onda acústica para sinal elétrico, os microfones podem ser classificados, basicamente, em dois tipos: dinâmico e capacitivo (conhecido como "condensador").

MICROFONES DINÂMICOS

O microfone dinâmico consiste de um diafragma (membrana que recebe as ondas acústicas, a voz por exemplo), o diafragma seria o "tímpano" do microfone ok, aliás o nosso ouvido também é um transdutor. Voltando ao mic dinâmico, ele tem um diafragma fino acoplado a uma bobina móvel dentro de um campo magnético. Quando o som atinge o diafragma, este se move para dentro e para fora, e este movimento da bobina dentro de um campo magnético produz uma variação de corrente na bobina.
Este tipo de microfone é muito utilizado em apresentações ao vivo porque possue uma baixa sensibilidade, é um microfone conhecido como “ Duro ”. Mas não se engane, é o mais usado ao vivo por ser menos sensível ok, mas ele tem suas aplicações em estúdio sim, também dependendo do modelo do microfone dinâmico e a necessidade da gravação.
Alguns modelos famosos de microfones dinâmicos: Shure SM57, Shure SM58, Shure SM7B, Electrovoice RE20, Sennheiser MD421 II

MICROFONES CAPACITIVOS OU "CONDENSADORES"

O microfone capacitivo, também conhecido como microfone "condenser" ou condensador , usa o princípio de um capacitor variável, consistindo de um diafragma montado bem próximo a uma placa fixa. Uma carga elétrica polarizada fixa é mantida entre a placa e o diafragma e, conforme o diafragma se move com a pressão sonora (voz por exemplo), a voltagem entre a placa e o diafragma varia analogamente.

É um microfone mais sensível que o dinâmico! Tanto na distância de captação como nas frequências, principalmente as altas (agudos).

Este tipo de microfone precisa de uma alimentação "extra", alguns utilizam até pilhas, mas o comum é serem alimentados por um dispositivo chamado Phantom Power, onde a alimentação ocorre através do próprio cabo do microfone.
Sem esta "corrente extra" um condensador não funcionará, e em interfaces de áudios, pré-amplificadores e mesas de som você pode encontrar o Phantom Power como um "botão" com o nome de 48v.
É necessário acionar o Phantom Power ou o 48v para que ocondensador funcione.

Mais usados em estúdios por serem muito sensíveis, mas não se engane novamente, os condensadores também são usados em apresentações ao vivo dependendo da necessidade. Você também encontrará os valvulados que devido a válvula terão suas características sonoras diferenciadas, e preço também.
Alguns modelos famosos de microfones condensadores: Neumann u87, Earthworks QTC50, Neumann KM184, AKG C414, Telefunken u47.

Antes de entrar na parte de diretividade e outros detalhes sobrem microfones, vamos conhecer outro que ficou muito famoso no decorrer dos tempos.

MICROFONE DE FITA (Ribbom)

O microfone possui este nome, pois o conjunto de diafragma e bobina é substituído por uma fita muito fina de plástico ou metal que fica suspensa (pelas pontas) entre os pólos de um potente campo magnético ficando seu corpo livre para se movimentar. Este microfone marcou época nos anos 40 e 50 onde era muito usado em programas de rádio.
Quando o sinal incide sobre a fita, esta vibra proporcionalmente à intensidade do som, muito sensível e sempre no padrão de captação bidirecional, ou figura 8 que você verá mais abaixo. Este tipo de microfone necessita de um transformador elevador de sinal e casador de impedâncias, já que a impedância da fita é muito baixa.
Alguns modelos famosos de microfones de fita: Royer 121, Beyerdynamic M160, R1 Mk2, AEA R84.

Apesar de menos comum é extremamente aconselhável ter um em seu estúdio "se puder", os Ribbons tem uma tonalidade própria diferente de todos os outros microfones e pode ser usado para praticamente tudo!

AGORA LEMBRE-SE!

O formato do microfone não diz se ele é dinâmico ou condensador ok! Quem está começando costuma achar que condensador é aquele das "fotos de estúdio" e confunde o formato padrão usado por vocalistas ao vivo achando que nesse formato são apenas dinâmicos, mas não, existem condensadores com esse mesmo formato dos dinâmicos comuns. Leia sempre!

Dentre vários aspectos sobre os microfones há dois principais que dizem respeito a forma de captação do microfone, e valem tanto para dinâmicos como para condensadores: o padrão polar e a resposta de frequência. Vamos ver cada um abaixo.

DIRETIVIDADE - PADRÕES POLARES

Agora que conheceu os tipos de microfones padrões : Dinâmico e Condensador. Vamos conhecer as formas de captação com relação a "direção" que o microfone capta. Conhecido como "padrão polar" ele determina a forma que o microfone vai captar quanto a direção (tudo em volta, apenas na frente, frente e lados, frente e trás), não importa se é dinâmico ou condensador.

DIAGRAMA POLAR

O diagrama polar define o ângulo de captação do microfone. Ele representa o eixo, Zero grau, conhecido como "Axis" (na frente do microfone) e demais ângulos como 90, 180 e 270 graus. Com ele sabe-se o comportamento do microfone em função do ângulo que o sinal está incidindo em relação ao eixo.

...
...

Acima você tem um microfone com o padrão polar cardióde, capta bem os sinais vindo da frente, menos dos lados (e com alterações), e "isola" o som que vem de atrás.
Preste atenção nas figuras pois todas as representações de polaridade que você verá estarão na forma bidimensional como a primeira figura, e você precisa entendê-las.

Padrões polares mais comuns que você vai encontrar.

...

Omnidirecional: Capta o som de todas as direções. Muito sensíveis, necessitam estar muito próximo da fonte sonora para não pegar sons indesejáveis. São indicados para a captação de orquestras, ambientes.

...

Cardióide: Este tipo de microfone responde melhor aos sons vindos da frente. Os sons das laterais são captados com pouca intensidade e os sons vindos de trás são mais "isolados".

...

Hipercardióide e Supercardióde: Muito parecidos entre si, captam melhor aos sons vindos da frente. Os sons das laterais são captados com menos intensidade que o cardióde. Porém capta um pouco atrás.

...

Bidirecional: Também conhecido como “Figura de 8” são os que captam o som de duas direções opostas, na frente (0° do eixo) e atrás (180° do eixo), "isolando" os sons que vem do lado (90° do eixo).

...

Estes são os mais usados, temos outros padrões polares como o subcardióide e o shotgun (mais usado na captação de TV e cinema) por exemplo, não estamos falando que não se usa shotguns em estúdio, apenas é mais raro. O shotgun é extremamente direcional, se precisar "evitar" a qualquer custo os sons vindos de reflexões da sala ele o fará.

Algumas considerações sobre a polaridade dos microfones agora que conhecemos os tipos e as informações acima.

1 - O efeito de proximidade - Fator importante! Os microfones "não ominidirecionais", ou seja, cardiódes, etc... Tem um aumento de baixas frequências (graves) que ocorre e aumenta a medida que o microfone se aproxima da fonte sonora.
Em termos práticos, para gravação, quanto mais perto, você terá um aumento de graves e quanto mais longe, uma perda, que varia dependendo do microfone. Use de acordo com a necessidade de ter um aumento em graves ou não. E cuide com as variações de distância do microfone que por exemplo cantores costumam fazer (aproxima, afasta, aproxima, afasta). Agora você sabe que haverá uma alteração nas frequências. É melhor manter a distância escolhida em gravações.

2 - Um microfone omnidirecional irá, naturalmente, captar mais do som da sala, pois ele capta os sons vindo de todos os lados diferente dos outros, porém ele vai captar com muito menos coloração do que um cardióide.
Quando falamos "com menos coloração", estamos falando que ele capta o som mais natural, sem alterar as características do som.
A decisão aqui de qual usar, omni ou cardiódide por exemplo, envolve decidir entre as conseqüências de usar um omni e sofrer mais vazamentos de refexões da sala, ou escolher um microfone cardióide que "isola" melhor os vazamentos, mas o vazamento que resta soará mais colorido, ou menos natural que o omni. Em muitos casos, você obterá resultados notavelmente melhores usando um microfone de padrão omni e, em seguida, organizando biombos, cobertores ou "barreiras" para reduzir a quantidade de vazamento entrando na parte traseira e nas laterais do microfone.

3 - Os cardióides funcionam muito bem e são a maioria em estúdios e palco, se tiver que "viver" de um microfone no seu homestudio opte por ele. Porém, se tiver como barrar as reflexões da sua sala, um ominidirecional pode fazer uma gravação mais natural como falamos acima.
Apesar de ser mais usado, a "fraqueza" do cardióide é o seu padrão polar cardióide . Enquanto ele pode produzir resultados muito precisos em situações em que o som incidente é diretamente na frente (eixo 0° grau), os sons fora do eixo (90° por exemplo) que são refletidos pelas paredes das salas, serão filtrados pelas características direcionais do microfone (seu padrão polar), na maioria das vezes caracterizadas por uma queda na sensibilidade de alta freqüência (agudos).
Então cuide com as reflexões da sua sala! Quando não desejar esses "vazamentos" laterais faça uso de biombos, cobertores, qualquer coisa que barre as reflexões.

4 - Na prática, o som raramente chega apenas pela frente do microfone ( eixo 0°), já que a maioria dos ambientes produz uma quantidade significativa de som refletido que chega ao microfone praticamente de qualquer ângulo.
O resultado prático disto é que o som captado pela frente (eixo 0°) é misturado com os sons refletidos, que chamamos de "coloridos" (as reflexões das paredes) em salas não tratadas, isso pode levar a uma característica visivelmente nasal ou quadrada em microfones não omnidirecionais. Novamente a necessidade de absorvedores em volta do microfone se não quiser essa coloração.
Mas essa coloração dependendo da sua sala pode "acrescentar" algo bom ao som, por isso estúdios tem tratamento acústico e vários se utilizam dessas reflexões da sala, vazamentos, como algo bom na captação, tudo vai depender da sua sala e a posição onde está gravando na sala.

5 - Microfones como o supercardioide e o hipercardioide, apesar de "fecharem mais" que o cardióde, ou seja captam menos sons vindos dos lados, mostram uma pequena sensibilidade na parte traseira. Eles captam menos entre 35° e 45° do eixo traseiro, porém mais a 180°(atrás).
Isso afeta como você deve posicionar o microfone em um estúdio para rejeitar o vazamento indesejado vindo diretamente de trás destes microfones.
Lembre-se dessa característica quando for usar um desses mics e tente minimizar, "caso não queria", os sons que vem de trás do microfone.

6 - Uma das principais razões para escolher um microfone Bidirecional não é tanto pelo que ele "pega", mas sim pelo que ele não "pega". Lembre-se de que um microfone de figura-de-oito é totalmente surdo para sons que chegam a 90°.
Isso significa que quando você tem duas fontes de som próximas, muitas vezes você pode melhorar a separação entre elas, usando um bidirecional para que o "eixo surdo" aponte para a fonte de som que você não quer captar. Esta técnica pode ser muito bem sucedida ao gravar um violonista que também canta, pois ajuda a separar o violão e a voz, embora a separação nunca seja perfeita porque as reflexões da sala podem alcançar o microfone de vários ângulos diferentes.
Por esta razão, é altamente recomendado o uso de absorvedores acústicos para isolar a área de gravação do excesso de reflexões no ambiente.

Agora que abriu a sua mente, ficamos por aqui nas dicas quanto as "polaridades" dos microfones. Na parte 2 desta série falaremos sobre a resposta de frequência dos microfones, outro ponto importantíssimo! Fique ligado em nossas postagens fazendo parte do nosso "Clube de Produção Musical" no google! E vamos produzir!

Dimitri Heler
Produtor musical / Técnico de áudio / Professor de produção musical / Músico
...